Agroindústria de Mandioca é inaugurada em São Miguel das Missões

0
648
views
Foi nesta terça-feira (04/09) que a família Jaskulski deu um novo passo rumo ao empreendedorismo e a abertura de novos mercados com a inauguração da agroindústria de mandioca, no interior de São Miguel das Missões. O ato oficial contou com a presença de diversas lideranças e representantes da comunidade, que tiveram a oportunidade de conhecer a estrutura e o passo a passo para a legalização.
A inauguração da agroindústria Jaskulski é resultado do desafio assumido pela família em conjunto com a Emater/RS-Ascar a partir do diagnóstico e do plano produtivo elaborados em visitas realizadas através do Programa de Gestão Sustentável da Agricultura Familiar. “Plantamos mandioca há 10 anos, agora buscamos legalizar para atender aos mercados e ao fornecimento para a merenda escolar. Se não fosse o apoio da Emater em todo esse processo, com estímulo, informações, apoio na documentação, não existiria a agroindústria”, afirmou a proprietária da agroindústria, Lúcia Ivone. A mão-de-obra é compartilhada pelo casal Lúcia Ivone e Ceslau e pelo filho Rodrigo Jakulski. A filha Grasiele, que vive na cidade, também apoia a família quando possível.
O prédio foi construído em um espaço bem organizado, que aponta para o envolvimento de toda a família desde a organização dos arredores, onde chama a atenção uma diversificada horta com alimentos para o autoconsumo, flores, plantas biotivas e árvores frutíferas que embelezam o espaço.
A extensionista social da Emater/RS-Ascar Fátima Primaz relatou, na ocasião da inauguração, o passo a passo para a implantação e legalização da agroindústria, desde as visitas e assessorias de equipe da Coordenadoria Regional de Saúde que apontou os aspectos necessários para a obtenção do alvará sanitário, até as obras, aquisição de equipamentos e encaminhamento da documentação necessária para a legalização sanitária, tributária e ambiental. Para as melhorias e instalação da agroindústria, contabilizando a construção do espaço, a família investiu R$ 14.578,80 de recursos próprios. Para o processamento da mandioca descascada e armazenada em embalagem com código de barras, a família segue o manual de boas práticas de fabricação e os procedimentos previstos nas orientações do Procedimento Operacional Padrão (Pop).
O chefe do escritório municipal da Emater/RS-Ascar, Gomercindo Vargas, lembra que esta é a segunda agroindústria de origem vegetal que é legalizada no município. “A instalação de uma agroindústria, dentro dos procedimentos legais, oportuniza a família a usufruir de uma estrutura com menor penosidade do trabalho, com melhor condições de higiene, qualifica o produto e permite mais renda à família que passa a acessar novos mercados”, ressaltou.
O gerente regional da Emater/RS-Ascar, Ademir Renato Nedel, acrescentou a importância das parcerias para a solidificação de conquistas como esta. “A parceria com a prefeitura, por exemplo, é muito importante, pois é através do convênio com a Administração Municipal que a Emater pode atuar no município. Para a Emater é muito gratificante ver empreendimentos como este no rumo certo, porque a agroindústria é uma oportunidade de se consolidar no mercado local e regional e manter a família no meio rural com qualidade de vida”, afirmou. Nedel e o assistente técnico regional em agroindústria, Jorge João Lunardi, realizaram a entrega de uma placa à família, que identifica a parceria entre a instituição e a agroindústria.
O prefeito de São Miguel das Missões, Hilário Casarin, destacou que “momentos como esse demonstrar a importância de contar com instituições como a Emater no município, sendo que em São Miguel das Missões é possível ver resultados da assistência técnica nas propriedades, da elaboração de projetos de irrigação, ações com grupos de mulheres, entre outros. Temos que nos unir e buscar caminhos que fortaleçam os agricultores familiares”.
Com a legalização da agroindústria, os próximos passos são a inclusão no Programa Estadual de Agroindústria Familiar (Peaf-RS) e a solicitação para uso do Selo Sabor Gaúcho. A ideia é processar e comercializar em torno de 800 quilos de mandioca descascada por mês.
Emater/RS-Ascar